Procuradoria pede abertura de inquérito contra presidente do DEM.

A Procuradoria Geral da República pediu nesta segunda-feira (5) abertura de inquérito contra o presidente do DEM, senador José Agripino Maia (RN), para investigar os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
A suspeita é de que ele tenha negociado o pagamento de propina da OAS na construção da Arena das Dunas, estádio construído em Natal para a Copa de 2014.
Os indícios surgiram durante as investigações do esquema de corrupção da Petrobras, mas a Procuradoria avalia que não há ligação com a Lava Jato. A OAS é uma das empresas investigadas na operação.
No pedido ao STF, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, requer que o caso não fique sob a relatoria do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato, porque não tem conexão com a Lava Jato. O caso já foi enviado para o presidente do STF, Ricardo Lewandoski, para a redistribuição. A investigação deve ficar em sigilo. A escolha do relator deve ocorrer nesta terça.
O presidente do DEM afirmou que foi surpreendido com a iniciativa da Procuradoria e classificou a acusação de inverídica e descabida.
OUTRO CASO
Agripino já é alvo de outro inquérito no STF que investiga acusação de um empresário de Natal que teria negociado propina com políticos para aprovação de leis.
O caso em questão diz respeito a um instituto montado pelo empresário George Olímpio para prestar serviços de cartório ao Detran, que cobrava taxas de cada carro financiado no Estado. Ele teria pago propinas para agilizar a tramitação do projetos de um lei que criava a inspeção a inspeção veicular da qual se beneficiaria.
Em delação premiada, Olímpio disse que Agripino teria lhe pedido R$ 1 milhão para campanhas políticas e que ele entendeu o pleito como uma chantagem: ou daria o dinheiro ou perderia o comando da inspeção veicular.
Ele ainda alega ter entregue parte do dinheiro, R$ 300 mil, e ter feito empréstimos com pessoas indicadas por Maia para completar R$ 1 milhão. O senador nega envolvimento com o caso.
OUTRO LADO
Por meio de nota, o senador afirmou estar indignado com a acusação, que considerou "absurda, inverídica e descabida", mas deixou claro que se coloca à disposição do Judiciário para "esclarecimentos que se fizerem necessários".

 

Desenvolvido por Gilberto Designer